Grupos de Trabalho GTPS

Rastreabilidade

Propósito do Grupo

Entendimento comum sobre o caminho para a rastreabilidade e monitoramento da cadeia da pecuária brasileira.

Rastreabilidade

  • Para o GTPS, a rastreabilidade é um processo de identificação de insumos e matérias-primas de produtos da pecuária bovina de corte em todas as localidades percorridas da cadeia de valor da carne e do couro, desde a fazenda de origem, recepção, produção, transformação e distribuição.

    Esse processo deve considerar a disponibilidade dos dados de maneira voluntária ou pública e que garanta a integridade e acuracidade das informações transferidas.

  • A rastreabilidade é importante para gerenciar a cadeia de suprimentos na produção animal e processamento da carne e do couro.

    É um processo que antecede e possibilita análises de monitoramento as quais reúnem atributos diversos na cadeia de valor, sejam estes relacionados à segurança do alimento, aspectos sociais e ambientais da cadeia produtiva e de processamento ou ainda à sanidade animal do rebanho brasileiro. É necessário que esse processo seja passível de verificação da conformidade socioambiental.

  • A proposição e implementação de estratégias que levem a uma rastreabilidade completa na cadeia de valor que sejam de forma setorial e harmonizada com os demais protocolos existentes, que se dê em ambiente colaborativo de apresentar soluções, contar com a maior participação possível das partes envolvidas diretamente e assumir como premissas:

    transparência na cadeia de abastecimento

    contínua integração do pecuarista
    (sensibilização e envolvimento)

    comunicação efetiva com o consumidor

    garantia da integridade alimentar, social e ambiental

Monitoramento

  • Para o GTPS, o monitoramento é a verificação da conformidade socioambiental e de práticas sustentáveis nos sistemas produtivos da cadeia de valor da carne e do couro.

    O monitoramento, usualmente executado por um sistema, abrange todos os locais percorridos na cadeia da carne e do couro, gerando informações e métricas para a cadeia produtiva sobre os critérios socioambientais e de boas práticas produtivas. Distintos atributos relacionados a esses locais são passíveis de monitoramento, sejam referentes ao sistema produtivo ou aos aspectos socioambientais.

    As propriedades rurais e unidades de processamento monitoradas, bem como os envolvidos no sistema de produção, poderão ser impactados pela análise dos desempenhos de gestão, produtivo, social e ambiental.

  • O monitoramento permite mensurar e acompanhar os parâmetros de práticas sustentáveis estabelecidos, podendo contemplar exigências legais e acordos previamente instituídos entre os diferentes elos da cadeia, desde a fazenda até o consumidor final.

    Ele permite identificar padrões e desvios, bem como orientar ações preventivas e corretivas ao longo de toda a cadeia de produção e processamento da carne e do couro, garantindo a segurança e transparência no processo produtivo, o que minimiza os riscos para os negócios.

    O monitoramento proporciona benefícios como: minimização dos riscos para o negócio, aquisição pelos consumidores de produtos com garantia de origem e saúde pública e, para o setor produtivo, destaque positivo para aqueles em conformidade e, para os demais, a oportunidade de ter seus problemas conhecidos e tratados, seja individual ou coletivamente.

  • Um dos desafios do monitoramento é a questão estrutural e a disponibilização de informações, onde o Estado não provê as condições necessárias para que o setor produtivo efetive a regularização ambiental e fundiária de maneira ágil, inteligente e unificada, garantindo os direitos e deveres conquistados.

    Um bom exemplo seria manter uma base unificada de dados e informações para viabilizar a regularização e o monitoramento de forma confiável, segura, pública e transparente, evitando, assim, a adoção de regras e protocolos divergentes na implementação do monitoramento pelas empresas envolvidas e a exposição de dados sigilosos dos produtores, ou de sensibilidade comercial.

    Outro desafio é relacionado à comunicação objetiva e assertiva com os produtores rurais em relação a ação de regularização e monitoramento a fim de evitar o mercado informal e promover a inclusão do produtor.

    Dessa maneira, faz-se necessário um maior engajamento por parte do setor produtivo para ampliar a capacidade de monitoramento vertical da cadeia. O nível de exigência no monitoramento do fornecedor indireto, deve ser estabelecido a partir de uma proposta escalonável que viabilize a implementação completa do monitoramento.

conheça mais sobre o assunto

Rastreabilidade custa menos de 10% do potencial de bônus para o pecuarista