Clipping
01.07.2021

JBS antecipa para 2025 meta de zerar desmatamento ilegal para quatro biomas

Objetivo será aplicado no Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica e Caatinga, assim como já foi estabelecido para a Amazônia. BRF anunciou, no mesmo dia, compromisso de zerar emissões líquidas de carbono até 2040

A JBS, segunda maior empresa de alimentos do mundo, anunciou na quarta-feira (30) que antecipou de 2030 para 2025 sua meta de desmatamento ilegal zero para a cadeia de fornecimento de bovinos, incluindo os fornecedores terceiros, nos biomas Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica e Caatinga, mesmo prazo já estabelecido para a Amazônia.

Os fornecedores indiretos de gado são produtores que vendem bezerros e boi magro para serem engordados em fazendas regulares. Eles não são fiscalizados por governos e empresas e estudos têm apontado que o desmatamento tem ocorrido justamente nessas áreas.

No mesmo dia, a BRF anunciou um compromisso semelhante, o de zerar suas emissões líquidas de carbono até 2040. Outras fornecedoras de carnes no Brasil também possuem programas de redução da emissão dos gases do efeito estufa (veja mais ao fim da reportagem).

Segundo a companhia, a antecipação se deve ao avanço da Plataforma Pecuária Transparente, que estende o monitoramento aos “fornecedores dos fornecedores de gado”, com uso de tecnologia blockchain.

“Fomos surpreendidos positivamente”, disse à Reuters o diretor de Sustentabilidade da JBS, Márcio Nappo, sobre a adesão da plataforma de monitoramento entre os pecuaristas.

Ele afirmou que a adesão foi positiva tanto na Amazônia quanto nos demais biomas, permitindo avançar no monitoramento das fazendas, inclusive de fornecedores terceiros, em uma velocidade mais rápida do que se esperava inicialmente.

“Estamos em um momento maduro da cadeia de valor, de fornecimento… O pecuarista entendeu que ele precisa respeitar a regularização ambiental e fazer negócio com um mercado mais amplo”, afirmou ele.

Nappo disse que, até 2025, a companhia deve se empenhar em auxiliar os pecuaristas na resolução de passivos ambientais, por meio da assistência técnica prestada pelos “Escritórios Verdes”.

“Os avanços na cadeia de fornecimento se alinham ao Compromisso Net Zero 2040, anunciado pela JBS em março deste ano”, reforçou a empresa.

Outras ações no setor

Em abril, a Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou que planeja investir R$ 1,5 bilhão para zerar as emissões de gases estufa até 2035. O monitoramento do gado será o destino de grande parte dessa quantia.

Já a Marfrig não tem uma meta formal, mas, sim, a ambição de zerar as emissões até 2050, intenção pode ser antecipada para entre 2035 e 2040. A companhia aplica conceitos de carne carbono neutro e carne de baixo carbono, desenvolvidos em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em alguns sistemas de produção.

– matéria publicada na sessão Agro do portal G1

Comunicação GTPS

Paulo Zappa

comunicacao@gtps.org.br

+55 (11) 98945-5217