Notícias GTPS
10.06.22

GHG Protocol em nova versão é apresentado para associados GTPS

Pela primeira vez, a nova versão do GHG Protocol Agropecuário foi apresentada aos participantes do Grupo de Trabalho (GT) de Clima, do GTPS, a Mesa Brasileira de Pecuária Sustentável.

GHG ProtocolA ferramenta faz o balanço de gases do efeito estufa (GEE) em atividades agropecuárias e identifica oportunidades de redução de emissões. Os participantes do GT terão acesso exclusivo à nova versão.
O projeto de aprimoramento tem o apoio da Embrapa, FGV e Minerva Foods. De acordo com o Prof. Eduardo Assad, que participa dos estudos, nesta fase de testes é essencial que a ferramenta seja fortemente divulgada e que seu uso seja estimulado.

“É um sistema aberto, de acesso livre e todos podem dar a sua contribuição”, destacou Assad. Ainda não há data prevista para o lançamento oficial da versão atualizada. Quem quiser conhecer e utilizar a versão atual pode ter acesso clicando aqui.

A ferramenta

O GHG Protocol Agropecuário, criado pelo World Resource Institute (WRI), tem o objetivo de apoiar o setor para aumentar a produtividade a partir de técnicas de baixo carbono. Além disso, com os dados podem ser utilizados para a comunicação de resultados aos investidores e aos consumidores finais, respondendo às demandas nacionais e internacionais por produtos menos intensivos em carbono.

“Ela foi desenvolvida em Excel para facilitar a divulgação e também para que fosse simples de abrir e entender todas as suas funcionalidades”, explicou João Paulo Silva, consultor da WRI. Os dados são apresentados em formato de gráficos e tabelas, incluindo o balanço de carbono e outros indicadores de eficiência.

Histórico

A ferramenta adaptada para o cenário brasileiro começou a ser concebida em 2011 e, em 2015, a primeira versão foi finalizada. A Liga do Araguaia adotou o protocolo para fazer o balanço. Concomitantemente, o Imaflora comparou o GHG com cerca de cinco outras ferramentas disponíveis no mercado internacional e concluiu que é muito parecida, porém com a vantagem de ser tropicalizada.

A Minerva Foods também testou e passou a contribuir com o desenvolvimento da nova versão. A analista de sistemas de informações geográficas da empresa, Vanessa Pugliero, contou que alguns pecuaristas foram selecionados e convidados a preencher o GHG. Segundo ela, os testes ainda seguem e, atualmente, as principais deficiências percebidas são o tempo demandado para o preenchimento completo e a dificuldade de reunir diferentes gerências dentro de uma mesma fazenda para ter acesso aos diversos dados necessários.

Atualmente, a Santos Lab tem o GHG Protocol Agropecuário incorporado em sua plataforma que faz o cálculo e o monitoramento de carbono nas propriedades.

Grupos de trabalho

Como um valor entregue ao associado, o GTPS organiza grupos de trabalho para discutir assuntos pertinentes da pecuária bovina brasileira. Os temas são debatidos em profundidade com os diferentes elos da cadeia de produção, além de pesquisadores e especialistas convidados. Os debates são multistakeholders e envolvem os seis elos da cadeia: produtores rurais, empresas de insumos e serviços, indústrias, varejos e restaurantes, instituições financeiras e a sociedade civil.

Estão em atividades atualmente os GTs de Rastreabilidade, que dá continuidade aos trabalhos relacionados ao tema já iniciados em 2021; e de Clima, que aborda assuntos relacionados às emissões de gases do efeito estufa na pecuária. Ainda para 2022 estão programados grupos de trabalho para discutir os indicadores de sustentabilidade do leite e temas relacionados ao uso do solo, como Pagamentos por Serviços Ambientais, biodiversidade e desmatamento.

Comunicação GTPS

comunicacao@gtps.org.br
+55 (11) 98945-5217