Noticias
21.04.22

Embrapa faz estudo para mensurar emissão de metano dos bovinos

Principais benefícios da pesquisa são identificar as tecnologias que interferem nas emissões de metano

Em meio ao compromisso brasileiro de reduzir as emissões de metano até 2030, a Embrapa Pecuária Sudeste vem experimentando uma tecnologia para mensurar a emissão de metano pelos bovinos. São tubos de PVC, instalados em uma canga, anexos a um cabresto, que são posicionados logo atrás da cabeça dos bovinos.

90% dos gases produzidos pelo gado são emitidos pela boca e narinas, pelo processo natural de eructação, ou seja, o arroto do boi. Para a medição, cada animal deve ficar com o equipamento por cinco dias. Depois desse período, o tubo é retirado e vai para análise no laboratório.

De acordo com o chefe geral da Embrapa Pecuária Sudeste, Alexandre Berndt, os principais benefícios desta pesquisa são as identificações de tecnologias mais adequadas no ciclo de produção. “Você pode, de forma geral, ter dois conjuntos de tecnologias para interferir na emissão de metano. A primeira, é uma tecnologia de nutrição que afeta diretamente a fermentação do rúmen. Você pode usar dietas diferentes, algumas ações e aditivos, suplementos que interferem no tipo de fermentação. E o outro conjunto de tecnologias busca a eficiência de produção. Tudo isso junto contribui para a eficiência do sistema e para alcançar a eficiência você também alcança a sustentabilidade”, afirma.

A intenção da Embrapa é traçar um perfil do gado criado no país. Alexandre diz ainda que o animal brasileiro neste sistema de produção emite o mesmo tanto de gases de um boi americano ou europeu. “Tudo depende do tipo de dieta a que ele está submetido e o quanto ela está comendo. Então, a qualidade do alimento e a quantidade do alimento ingerido são os dois principais fatores que interferem na emissão de metano”, comenta.
Emissão de gás metano

O metano é emitido durante a fermentação entérica, processo que ocorre no sistema digestivo dos bovinos. Assim como o Gás Carbônico (CO2) e o Óxido Nitroso (N2O), o Metano (CH4) é responsável pelo efeito estufa, que gera o aquecimento global.

No brasil, o gás carbônico é o mais emitido, representa 59%. Seguido do metano, com 28%. Mesmo não sendo a emissão que desponta no brasil, o metano preocupa porque causaria mais dano à atmosfera. É entre 20 e 30 vezes mais nocivo que o carbono. A variação na emissão do gado pode depender da dieta, da quantidade de água que bebe, do bioma em que está vivendo, entre outros fatores.

Comunicação GTPS

comunicacao@gtps.org.br

+55 (11) 98945-5217