Noticias
09.05.22

Consumidores querem saber se carne que consomem vem de área de desmatamento

Comportamento do brasileiro em relação à responsabilidade socioambiental tem mudado, diz pesquisa inédita. Novo indicador vai mostrar o quanto cada frigorífico e supermercado consegue garantir a procedência da carne que vende

Os consumidores mais atentos já sabem que a criação de gado é o principal motor do desmatamento da floresta amazônica. Um estudo realizado pela iniciativa Amazônia 2030 em parceria com o Imazon mostrou que a pecuária ocupa cerca de 90% da área desmatada no bioma Amazônia. Com as mudanças climáticas cada vez mais visíveis e o mundo todo de olho na Amazônia, os consumidores brasileiros não querem mais carne associada ao desmatamento em seus pratos. Em pesquisa inédita realizada pelo Reclame AQUI, 57% dos participantes afirmaram que a informação clara sobre a procedência da carne é um fator relevante na hora da decisão da compra e 40% que já deixaram de comprar carne de fabricantes associados ao desmatamento ou violação de leis ambientais.

Mais de 40% do nosso rebanho está localizado nos estados que compõem a Amazônia Legal, o que é preocupante. Mas, 58% dos participantes da pesquisa afirmaram que a informação clara sobre a procedência da carne é um fato relevante na hora da decisão da compra. Além disso, a maioria (79%) afirmou que quem vende a carne bovina (supermercados e frigoríficos) deve ser responsável por verificar se a produção causou ou está relacionada com o desmatamento.

Encomendada pela iniciativa Radar Verde, que visa trazer mais transparência para cadeia da carne, a pesquisa revelou que os brasileiros acham importante rastrear a carne que consomem. Dados inéditos serão revelados no lançamento oficial do indicador, no dia 27 de abril, às 9h30, com transmissão pelo Youtube.
100% dos consumidores querem indicadores transparentes
Os consumidores também responderam sobre que tipo de garantia seria suficiente para que eles confiassem que a produção da carne consomem não está associada ao desmatamento. Todos afirmaram que gostariam de ter acesso a indicadores transparentes sobre as políticas de sustentabilidade dos fabricantes de carne.

O déficit de transparência e controle dessa cadeia produtiva deve afetar cada vez mais as vendas das empresas. Entre os mais de 9 mil consumidores que responderam à pesquisa, 4.008 disseram que já deixaram de comprar carne de fabricantes publicamente associados ao desmatamento e 43% afirmaram que a marca da carne é um fator importante na hora da escolha.

Caso a rastreabilidade fosse regra, 73% dos consumidores disseram que deixariam de comprar em supermercados e frigoríficos que não conseguem garantir a procedência da carne que vendem e que a produção não causou desmatamento.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa foi aplicada pelo Instituto Reclame AQUI nos dias 16, 17 e 18 de novembro de 2021 e respondida por 9.832 usuários. O formulário de perguntas foi publicado no site do Reclame AQUI em todas as áreas de acesso aos consumidores, exceto na área de reclamações. Puderam responder à pesquisa todos os consumidores que acessaram a plataforma.

O Radar Verde

Idealizado pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e O Instituto O Mundo Que Queremos, o indicador vai mostrar para os consumidores quais frigoríficos e redes varejistas têm melhor controle e transparência sobre sua cadeia de produção, a fim de garantir que a carne que vendem não causou desmatamento na Amazônia, nem direta, nem indiretamente.

Comunicação GTPS

comunicacao@gtps.org.br

+55 (11) 98945-5217