Notícias GTPS
20.11.2020

A pecuária sem sustentabilidade está fora do mercado, defende GTPS

Sustentabilidade é oportunidade para quem está praticando e ameaça para quem não está fazendo. E quem não se dedicar, vai acabar fora do mercado. A afirmação é da coordenadora executiva do GTPS (Mesa Brasileira de Pecuária Sustentável), Luiza Bruscato, ao defender a aplicação de princípios ambientais, econômicos, sociais na bovinocultura de corte, durante live promovida pelo Santander Brasil.

Segundo Luiza há uma série de práticas sustentáveis e tecnologias disponíveis, que os pecuaristas podem escolher. “Não existe uma resposta certa sobre a prática ideal para maior sustentabilidade. A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, por exemplo, é uma prática interessante, mas não é indicada para todas as fazendas. Para se chegar à resposta ideal, precisa se levar em conta os investimentos necessários e a própria aptidão do pecuarista. Existe uma série de soluções e, cada uma, é adaptável a uma determinada fazenda”.

Associado ao GTPS e diretor da Athenagro, Maurício Nogueira, participou do bate-papo promovido pelo Santander e confirmou as desvantagens do pecuarista não sustentável. “Atualmente quem mais oferta é a produção tecnificada. Ou faço ou estou fora. Ou se adapta a um sistema de produção mais eficiente ou vai ficar de fora do mercado nos próximos anos”, enfatiza.

Sinalizando dados do setor, Nogueira citou campanhas contra o consumo de proteína animal, apresentando que essa não é a saída. “O ser humano está atrás de proteína. Se privarmos ele a ter acesso à proteína de qualidade, ele vai buscar na natureza. Cerca de 800 milhões de pessoas atualmente, principalmente na África e na Ásia, vão atrás de carne exótica, afrontando a fauna e, consequentemente, a flora, buscando o próprio alimento. Temos de atender essa demanda mundial”, apresenta.

“Somos o segundo maior produtor de carne bovina no mundo, atrás dos Estados Unidos. Mas o Brasil é mais produtivo, quando se compara com a pecuária americana”, completa o representante da Athenagro, ao sinalizar que mesmo à frente dos EUA, o Brasil ainda tem alto potencial de se tornar mais produtivo.

Ele ainda emenda colocando o pecuarista brasileiro como grande fornecedor de alimento. “Mesmo atendendo pouco, perto do potencial que temos, estamos consolidados no mercado internacional. Vamos exportar mais que a soma do segundo e terceiro colocado no ranking, quanto às exportações”.

No que se refere ao desmatamento, Nogueira esclarece que a comunicação tem papel fundamental para desmistificar questões que ligam o crime à pecuária.

“O grande peso que temos hoje, na questão de sustentabilidade e da realidade brasileira, é a desinformação e o preconceito. Temos algumas questões a levar em consideração: a pecuária não precisa de desmatamento, é o desmatamento que precisa da pecuária. Precisamos combater o mercado informal”, finaliza Maurício Nogueira, fazendo referência ao desserviço contra o pecuarista, praticado por quem comete crime contra a Amazônia.

O bate-papo promovido pelo Santander Brasil foi mediado pelo superintendente comercial de agronegócio do Santander, Ricardo França e contou com a participação do pecuarista, Fernando Costa.

A palestra está disponível no YouTube do Santander Brasil – https://www.youtube.com/watch?v=esAc8WCPxSA&t=2796s

Sobre o GTPS – Com uma agenda positiva, a entidade busca o desenvolvimento de uma pecuária sustentável, baseada no equilíbrio dos pilares social, econômico e ambiental desde 2007. O GTPS foi a primeira mesa a tratar de pecuária sustentável no mundo, e inspirou a criação de outras mesas nacionais, além da mesa global que discute o tema. Para promover a afirmativa de que é possível produzir carne com a manutenção da biodiversidade, o GTPS faz uso de ferramentas práticas, aplicáveis ao cenário brasileiro, baseadas em indicadores, cuja base está nos princípios da transparência e do diálogo para promover o seu desenvolvimento. Uma entidade sem fins lucrativos, formada por mais de 50 associados entre produtores, empresas de insumos e serviços, indústrias, varejos e restaurantes, sociedade civil, instituições financeiras e de ensino e pesquisa.

 

Diego Silva / Agro Agência Assessoria / (67) 99239-6369