Propósito

GT Clima

Caminhos para uma cadeia produtiva da pecuária de baixa emissão de carbono

Termos e definições relacionados às emissões de gases de efeito estufa

BAIXA EMISSÃO DE CARBONO/BAIXO CARBONO

Termo utilizado para identificar tecnologias/processos/práticas que mitigam emissões de carbono equivalente em comparação com sistemas tradicionais.

 

EQUILÍBRIO DE EMISSÕES

Resultado líquido entre a emissão e remoção de CO2 equivalente em um determinado empreendimento.

 

NEUTRO EM CARBONO

Termo utilizado para explicar que os volumes de CO2 lançados na atmosfera pelas atividades da empresa são compensados ​​por uma quantidade igual que é retirada da atmosfera.

 

CARNE DE BAIXO CARBONO

Marca conceito criada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com apoio da Marfrig Global Foods e com o objetivo de fomentar a pecuária sustentável utilizando sistemas de integração agropastoril (lavoura-pecuária) para mitigar as emissões de metano da pecuária. Todo o processo de produção de carne bovina de baixo carbono é reconhecido, certificável e auditável.

 

O sistema conta apenas o carbono armazenado no solo.¹

 

CARNE NEUTRO CARBONO

Marca conceito criada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que consiste na pecuária em sistemas de integração silvipastoril (pecuária-floresta) ou agrossilvipastoril (pecuária-floresta), com o objetivo de neutralizar a emissão de gases de efeito estufa pelo gado. Um sistema com um componente florestal, onde apenas este carbono é contabilizado.

 

Não inclui o carbono armazenado no solo.¹

 

CO2e (EQUIVALENTE DE DIÓXIDO DE CARBONO)

O equivalente de dióxido de carbono ou equivalente de CO2, abreviado como CO2e, é uma métrica usada para comparar as emissões de vários gases de efeito estufa com base em seu potencial de aquecimento global (GWP), convertendo quantidades de outros gases para a quantidade equivalente de dióxido de carbono com o mesmo potencial de aumentar as temperaturas na atmosfera.²

 

ALCANCE

Escopo 1: emissões diretas de fontes da organização inventariante ou controladas por ela.

Escopo 2: emissões indiretas provenientes da aquisição de energia elétrica e térmica utilizada pela organização inventariante. Esta categoria inclui as emissões de gases de efeito estufa provenientes da geração de energia elétrica e térmica adquirida pela organização.

Escopo 3: todas as demais emissões indiretas não reportadas no Escopo 2. As emissões do Escopo 3 são consequência das atividades da empresa, mas são provenientes de fontes que não pertencem ou não são controladas pela organização inventariante, geralmente relacionadas à sua cadeia de valor Escopo 3 é uma categoria de relatório opcional no GHG Protocol.³

 

FATOR DE EMISSÃO

Coeficiente que quantifica as emissões ou remoções de um gás por unidade de atividade.

 

POTENCIAL DE AQUECIMENTO GLOBAL (GWP)

Cada gás de efeito estufa é capaz de reter calor até certo ponto, e essa capacidade pode ser comparada à capacidade do dióxido de carbono de desempenhar a mesma função. Essa relação pode ser expressa por meio do potencial de aquecimento global (PAG) de cada gás, e os valores de referência podem ser encontrados nos relatórios do IPCC. Portanto, o GWP é uma medida relativa que compara o gás em questão com a mesma quantidade de dióxido de carbono (cujo potencial é definido como 1).⁵

 

ESTRELA DO POTENCIAL DE AQUECIMENTO GLOBAL (GWP*)

Ele complementa as métricas climáticas convencionais, como GWP100, porque o GWP* é melhor em

descrevendo o aquecimento real causado pelas emissões de metano (CH4). Por exemplo, usando

GWP100, uma taxa anual constante de emissões de CH4 pode ser mal interpretada como tendo um impacto 3-4 vezes maior no aquecimento do que o observado. A adoção do GWP* pode corrigir essa estimativa incorreta.⁶

 

INTENSIDADE DE EMISSÃO

Coeficiente que quantifica as emissões ou remoções de um gás por unidade de uma determinada atividade, como CO2eq/kg de carne bovina. Este termo é normalmente utilizado pela indústria em associação com uma determinada atividade, diferente de fator de emissão, que seria o termo técnico.

 

MITIGAÇÃO

Deixar de emitir ou reduzir emissões, bem como aumentar o sequestro de carbono em determinada atividade.⁷

EMISSÕES LÍQUIDAS ZERO/ZERO LÍQUIDAS

O compromisso de atingir o equilíbrio de emissões, ou seja, as emissões antrópicas de gases de efeito estufa são compensadas por remoções antrópicas durante um período determinado. A expressão completa é zero emissões líquidas de carbono.⁸

 

EMISSÃO/NEUTRALIDADE CLIMÁTICA

Termos usados ​​para se referir a um estado em que as emissões líquidas de gases de efeito estufa de atividades humanas são iguais a zero. É alcançado quando as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera são iguais à quantidade de gases de efeito estufa removidos da atmosfera durante um período especificado.⁹

CAMADA

Um nível representa o nível de complexidade metodológica que é adotado no inventário de um país. Normalmente, existem três camadas:

Nível 1: método básico. Recomendado para situações em que os fatores de emissão específicos do país não estão disponíveis ou existem limitações de dados relacionadas à atividade, como falta de informações sobre o uso da terra ou populações de rebanho. Nesses casos, as diretrizes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) fornecem dados padrão para permitir a produção de estimativas.

Nível 2: método intermediário. Recomendado para situações em que estejam disponíveis fatores de emissão específicos para as principais condições do país ou região e/ou maiores detalhes para os dados de atividade.

Tier 3: mais exigente em termos de complexidade e necessidades de dados. No caso da Convenção-Quadro das Nações Unidas, refere-se à utilização de procedimentos metodológicos elaborados especificamente pelo país, que podem incluir modelagem e maior detalhamento das medidas de inventário.¹⁰

conheça mais sobre o assunto

Receba nossa newsletter