Como nasceu O GTPS

2006 | O cenário no Brasil e no mundo era alarmante, com sucessivas divulgações sobre os impactos da produção pecuária na biodiversidade. Havia pressão internacional e nacional devido às taxas de desmatamento, que culminaram em uma moratória à compra de soja, primeiramente, e depois de carne.

2007 | Percebendo a importância de uma ação conjunta em cadeia, diferentes líderes do setor agropecuário, representantes da indústria, produtores e organizações civis decidiram se reunir para debater uma forma única e transparente de buscar padrões e práticas comuns a ser adotadas pela cadeia produtiva pecuária.

Assim, nasceu nosso Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável.

Cenário

no Brasil e no mundo

impactos da produção pecuária na biodiversidade

pressão internacional e nacional devido às taxas de desmatamento

Como se formou o GTPS

2009 | A associação foi constituída oficialmente, sob a primeira presidência de Ocimar de Camargo Villela.

Desde seu início, a opção foi por ser uma mesa-redonda de ideias para a produção justa.
Em nossa primeira formação, tínhamos 20 associados, das mesmas categorias que nos constituem até hoje, evidenciando a pluralidade da entidade.

2010 | Houve o primeiro levantamento de recursos para estruturar comissões, organizar seminários e participar em eventos internacionais sobre pecuária sustentável. No ano seguinte, foram pensados e definidos a forma de governança e pilares estratégicos, mantidos até os dias de hoje. Com a base definida, caminhos para o fortalecimento institucional, levantamento de recursos, projetos e planejamento para alinhar os interesses comuns.

Desde sua criação, a opção foi chamar a atenção e disseminar da forma mais ampla possível temas como:

  • práticas para a pecuária sustentável;
  • manutenção da floresta em pé;
  • Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF);
  • pagamento por serviços ambientais prestados;
  • balanço de carbono.

Referência internacional
em pecuária sustentável

Nossa iniciativa brasileira estruturada incentivou a criação da Mesa-Redonda Global da Carne Bovina Sustentável (Global Roundtable for Sustainable Beef – GRSB), de que somos membros ativos desde a fundação, em 2014.

Nosso exemplo também motivou iniciativas para fomentar a pecuária sustentável em países como Canadá, Estados Unidos, Colômbia, Uruguai, México, Austrália, Argentina, Paraguai, entre outros.

No âmbito internacional, fomos reconhecidos com o Certificado de Excelência em Sustentabilidade, na categoria Governança Corporativa, pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF), em 2014.

Conferência das Nações Unidas | Paris

A partir de 2015 fomos a voz da pecuária sustentável na COP21, em Paris, e na maioria das conferências climáticas seguintes.

Entre os temas, falamos sobre:

  • Redução de desmatamento no bioma amazônico
  • Aumento de produtividade
  • Redução da área ocupada por pastagens e Código Florestal Brasileiro.

Além de idéias, o GTPS vai a campo

2013 | Com a ajuda de parceiros, selecionamos sete projetos em cinco estados brasileiros para trabalhar temas como:

• gestão da propriedade rural;
• manejo de pastagens;
• apoio à assistência técnica qualificada;
• orientações para acesso ao crédito.

Estimamos que o reflexo indireto dessa iniciativa atingiu outros 800 produtores, em uma área estimada de cerca de 800 mil hectares.

7 projetos

5 estados

800 produtores

800 mil hectares

 

 

 

A partir de 2018, intensificamos o engajamento para que a floresta se mantenha em pé, para que se busquem formas de remuneração pela conservação, como o crédito de carbono, além de incentivar a intensificação sustentável.

Dessa forma, o grupo manteve-se coeso e motivado às práticas, convergindo as agendas particulares de cada associado.

O que fazemos hoje é a ampliação das ações de forma estruturada.

Continuamos sendo a voz para o mundo, com exemplos reais de que no Brasil é possível produzir carne com a manutenção da biodiversidade.