GTPS apoia programa de pecuária sustentável na Amazônia

GTPS apoia programa de pecuária sustentável na Amazônia

O Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS), em conjunto um grupo de organizações, entre elas o Instituto Centro de Vida (ICV), lançaram na última quarta-feira (8), em Mato Grosso, o Programa Novo Campo, que visa promover práticas sustentáveis em fazendas de pecuária na Amazônia, melhorando seu desempenho econômico, social e ambiental. A iniciativa pretende contribuir para reduzir o desmatamento, conservar e recuperar os recursos naturais e fortalecer a economia local.

O Programa promove a gestão integrada da propriedade rural, com a adoção progressiva das Boas Práticas Agropecuárias (BPA) para Gado de Corte, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O Novo Campo é resultado de um projeto piloto, iniciado em 2012, que apresentou resultados bastante positivos, como a redução da idade de abate dos animais, de 44 para 36 meses para machos e de 34 para 26 meses para fêmeas, o aumento da produtividade, de 4,7 para mais de 12 arrobas por hectares ao ano, bem como a melhoria da qualidade da carne e da renda dos produtores.

O Novo Campo será implantado, inicialmente, na região de Alta Floresta, maior polo de pecuária do norte de Mato Grosso, incluindo os municípios de Carlinda, Paranaíta, Nova Monte Verde, Nova Bandeirantes e Apiacás, além de Cotriguaçu, localizado na região noroeste do estado.

Participação e desenvolvimento do trabalho

Para participar, os produtores precisam estar em dia com as questões ambientais e trabalhistas e contratar assistência técnica credenciada pelo Programa. O trabalho começa com a realização de um diagnóstico de cada propriedade, depois é elaborado e implementado um projeto técnico-econômico, que passa a ter um acompanhamento contínuo do técnico credenciado.

Para incentivar a realização desses investimentos, os produtores participantes terão acesso a uma bonificação de preço, baseada em critérios de qualidade da carcaça. Além disso, estão sendo desenvolvidos mecanismos para facilitar o acesso ao crédito.

Para garantir a operacionalização, o programa está capacitando um grupo de profissionais de assistência técnica, apoiando a criação de uma associação de produtores de pecuária sustentável e desenvolvendo ferramentas que facilitarão a gestão da fazenda no dia a dia e que permitirão garantir a origem dos animais aos compradores.

Segundo Laurent Micol, coordenador executivo do ICV, o Programa representa um experimento em escala da transformação do sistema produtivo da pecuária. “Vamos demonstrar, na prática, que é possível produzir mais e melhor numa região como Alta Floresta, sem desmatar e ainda recuperando as áreas degradadas”, afirmou. Para Eduardo Bastos, presidente do GTPS, um dos apoiadores do programa, o Novo Campo possui princípios e objetivos que se assemelham aos do GTPS. “Precisamos mostrar aos produtores que a pecuária sustentável é possível, acessível e que sem ela não há futuro. Além disso, é nosso dever compartilhar as boas práticas e técnicas de manejo para um número cada vez maior de produtores e apoiar projetos com esses objetivos”.

O programa ainda conta com a parceria da Embrapa, dos Sindicatos Rurais de Alta Floresta e de Cotriguaçu, do Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS), do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), da Fundação Solidaridad e da empresa multinacional de carnes JBS S.A. Além do GTPS, conta também com o apoio do Fundo Vale, da Fundação Moore e da Cooperação da Noruega (Norad).

By | 2017-08-31T17:32:40+00:00 outubro 14th, 2014|Notícias|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment