Agricultores familiares na rota da sustentabilidade

Agricultores familiares na rota da sustentabilidade

Rodrigo Castro, gerente de país da Solidaridad no Brasil

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros são produzidos pela agricultura familiar. A importância da agricultura familiar para a economia e a segurança alimentar do país é indiscutível, como aponta o último censo agropecuário do IBGE. A agricultura familiar é responsável pela produção de 60% do leite, de 59% do rebanho suíno, 30% dos bovinos, além de 50% das aves. O setor também absorve 40% da população economicamente ativa do país e emprega 74% das pessoas ocupadas no campo.

Um dos maiores desafios atuais da pecuária é produzir mais e melhor e, ao mesmo tempo, reduzir o impacto ambiental. Como aumentar a sustentabilidade nos processos desta cadeia produtiva e ao mesmo tempo promover a inclusão social e agregação de renda para os agricultores familiares? Garantir acesso à conhecimento, intensificar a produção, aumentar a produtividade e promover a organização dos produtores são alguns dos caminhos possíveis adiante. Um outro grande desafio é o de integrar o pequeno produtor de cria. Primeiro elo da cadeia, envolver o pequeno produtor de cria no manejo sustentável é fundamental para promover a redução da pressão sobre o desmatamento. O produtor que produz mais, aumenta sua renda e reduz sua pressão sobre o ambiente, tornando seu uso do solo mais eficiente, beneficia sua família, a sociedade e, o planeta.

Desde 2016 a Fundação Solidaridad, membro do GTPS, desenvolve a iniciativa Territórios Inclusivos e Sustentáveis na Amazônia. No assentamento Tuerê, em Novo Repartimento (PA), trabalhamos com famílias de agricultores familiares na melhoria contínua da produção de cacau e promoção da pecuária sustentável. Em parceria com os produtores implementamos um sistema que integra a produção de cacau, a pecuária e a manutenção das florestas. Promovemos uma agricultura climaticamente inteligente que busca equilibrar a rentabilidade com a redução das emissões de carbono. Na prática, o modelo desenvolvido contribui para a melhoria da qualidade de vida das famílias envolvidas, promove o uso mais eficiente do solo e reduz os impactos ambientais.

Na pecuária, promove a intensificação, melhorando o manejo de pastagens, incrementando a genética dos animais e a gestão do sistema produtivo. A intensificação da pecuária é acompanhada pelo incremento na produtividade do cacau e ampliação da área produtiva através da recuperação de pastagens degradadas com a implantação de sistemas agroflorestais. Em breve o GIPS (Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável) desenvolvido pelo GTPS com o objetivo de promover a pecuária sustentável no país será aplicado junto aos produtores apoiados pela Solidaridad. O GIPS ajudará a mensurar os avanços dos produtores ao longo do tempo na adoção de práticas mais sustentáveis na pecuária.

By | 2018-10-09T10:45:18+00:00 outubro 9th, 2018|GTPS NA MÍDIA, Notícias|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment